Menu

   Engenheiro e Técnicos de Segurança são presos por causa de incêndio. O engenheiro responsável pela Utresa (Usina de Tratamento de Resíduos) e dois Técnicos de Segurança do Trabalho foram presos na madrugada deste sábado em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre (RS).

   A Polícia Civil afirma que João Luis Bombarda (Engº), Antonio Joaquim e Felisberto Fonseca (TST) sabiam das diversas irregularidades que contribuíram para um incêndio de grandes proporções ocorrido um terminal da empresa, em Estância Velha. O fogo começou por volta das 12h30 de sexta-feira (24), se alastrou e só foi controlado pelos bombeiros na madrugada de hoje.

   Os funcionários da empresa são acusado pelos crimes de poluição ambiental, incêndio e descumprimento de licença, legislação ambiental e Normas Regulamentadoras.


  De acordo com a delegada do Meio Ambiente Elisangela Melo, Bombarda, que é engenheiro químico, tinha conhecimento de inúmeras irregularidades no Plano de Prevenção e Combate à Incêndio e Licenciamento Ambiental da empresa. "Não havia mecanismos, como hidrantes, para dar conta dos focos de incêndio. O laudo preliminar indicou presença de poliuretano, material altamente tóxico e inflamável e, com o calor, entra facilmente em autocombustão", disse. A delegada destacou, ainda, que o responsável técnico técnico da Utresa deve responder pelos crimes de poluição, incêndio e descumprimento de licença ambiental. Se condenado, poderá pegar até cinco anos de prisão.


   Entre as irregularidades estariam a falta de hidrantes e o não funcionamento de uma bomba de água próxima do local do incêndio. A defesa do engenheiro e dos Técnicos já entraram com pedido de relaxamento da prisão, segundo a polícia.

   Carece de uma discussão ampla da categoria de prevencionista do país sobre quem legalmente é responsável pela segurança dos trabalhadores em seus ambientes de trabalho.

   A discussão surge após a prisão, por serem acusados de negligência. De acordo com as primeiras informações, a autoridade policial encontrou indícios que os três profissionais tinham conhecimento das condições irregulares e que não tomaram as providências necessárias para evitar o incêndio na empresa.

   Ainda conforme as informações relatadas na reportagem, a autoridade policial em nem um momento cita o dono da empresa, como sabedor das condições irregulares que acabaram contribuindo para o incêndio em instalações na sua empresa. 

  Segundo especialista em Direito, a empresa deveria ter este conhecimento e providenciar para que as ações de controle fossem realizadas. Para os profissionais de segurança caberia identificar estas condições e relatar por meio de documentos, as formas de melhoria ao seu empregador. Se elas serão executadas ou não, isto fica a critério do patrão e não de seus funcionários, eles não têm o poder de execução, têm o da gestão de perigos ambientais.

   Portanto, se existem irregularidades e elas não estão sendo executadas, por quem tem o poder econômico para executar, e isso o empregador tem, neste caso a culpa possivelmente não é dos trabalhadores, é sim da empresa. No entanto, quem deve responder perante o judiciário é justamente ele, o proprietário da empresa. Se os três profissionais tinham conhecimentos dos riscos de incêndio e o que sabia o empresário sobre tudo isto? Porque ele não foi preso também?


Fonte: tstsparana.ning.com




"Sabotagem é a causa de incêndio na Utresa", garante presidente.


Segundo o Link que um visitante do Prevenção Online nos passou, http://www.diariodecanoas.com.br/site/noticias/policia,canal-8,ed-6,ct-702,cd-298855.htm 


Acessem o Link acima.

16 comentários:

  1. Exatamente como teria que ser. Estamos acostumados a ver muito descaso por conta de alguns técnicos e engenheiros de segurança. Talvez sirva de lição para outros que agem da mesma forma. Ser técnico em segurança do trabalho não é "levar na flauta" como muitos "teco" fazem por ai. É ter responsabilidade LEGAL por vidas! Sabemos bem que SE muitas obras fossem rigorasamente inspecionadas seriam embargadas por puro descaso e negligência. O que seria dos acidentados se o técnico em enfermagem fosse totalmente desqualificado?

    Que sirva de exemplo!
    Que sirva de lição!

    ResponderExcluir
  2. VERDADE MICHELE, QUE SIRVA DE LIÇÃO PARA TODOS OS PROFISSIONAIS, POIS SOMENTE COM UMA DESSA PARA ALERTAR, SE NÃO ACONTECE NADA MUITOS LEVAM TUDO CONFORME O VENTO TOCA.

    ResponderExcluir
  3. Exatamente como teria que ser. Estamos acostumados a ver muito descaso por conta de alguns técnicos e engenheiros de segurança. Talvez sirva de lição para outros que agem da mesma forma. Ser técnico em segurança do trabalho não é "levar na flauta" como muitos "teco" fazem, é ter responsabilidade LEGAL por vidas! Sabemos bem que SE muitas obras fossem rigorasamente inspecionadas seriam embargadas por puro descaso e negligência.

    Que sirva de exemplo!

    Que sirva de lição!

    Em relação ao proprietário da empresa, posso dizer que é o mesmo que você pagar pelos serviços de um contador e ser preso por sonegação fiscal. Se você paga por algum serviço, o mínimo que pode exigir é que ele seja feito corretamente, já que não é do seu conhecimento.


    Michele SV

    ResponderExcluir
  4. Nelson da Costa Viana - Tecnólogo em Segurança do Trabalho20 de janeiro de 2011 15:35

    Quem é da área de segurança e medicina do trabalho, sabe muito bem que muitas empresas só fingem que cumprem as normas regulamentadoras, que camuflam ou fazem só paleativos, acham que o investimento em segurança é prejuizo e por isso burlam as normas. Por outro lado chamo a atenção do Ministério Público e do Ministério do Trabalho em Emprego, se fiscalizarem vão emcontrar várias empresas irregulares e poderão evitar vários acidentes, mortes e até catastrofés. A prisão do Engenheiro e do Técnico em Segurança são válidas, mas espero que não fique por ai, pois os mesmo foram coadjunvantes "cúmplices", quando num caso como esse, se espera a culpa solidária, poís na verdade são responsavéis do mais alto cargo executivo da empresa, passando por presidente, diretores e etc, até os profissionais técnicos e especialistas. Pensem comigo, se a empresa não tinha um plano de emergencia ou se o projeto de proteção e brigada de incendio estava mal dimensionado para o grau de risco da empresa, ela num deveria nem está liberada para o funcionamento.

    ResponderExcluir
  5. infelizmente, aprendemos mais com ações corretivas que preventivas. O exemplo é alarmante, mas, a cada dia, é preciso entender que as ações em SST começa individualmente, ou seja, para que toda empresa se envolva na prática preventiva precisamos ter a certeza que a mudança de postura começa em nós, não achar que o passar informações sem o compromisso de saber se aquilo está sendo bem realizado é suficiente, porque, em algum momento poderá ocorrer um evento sem programação (não é assim que se define um acidente?).

    ResponderExcluir
  6. Bom, todos que somos da área prevencionista sabemos que a cultura da empresa não se muda, que devemos trabalhar em cima de relatório, porque a nossa função é identificar o risco e orientar as ações a serem tomadas pela direção da empresa. Não sei como se chegou a tanto na situação dos amigos da área em SST, mas o que eu tiro disso tudo é que devemos fazer os relatórios sempre e recolher algumas assinaturas... e maisss. Não adianta fazer o relatório e deixar na gaveta em sua mesa de trabalho, pois neste caso como o dos colegas, se eles tiveram o cuidado de emitir um relatório e não levaram pra casa, será muito dificil eles provarem que a negligências não foi deles, pois relatórios assinados devem ser guardados em casa, só pra prevenir!! Enfim apredemos com a desgraça dos outros.

    ResponderExcluir
  7. Qualquer profissional da área de segurança do trabalho sabe que as NÃO CONFORMIDADES devem ser levantadas, as sugestões referentes as medidas de controle devem ser descritas e na sequência informadas ao empregador para que ele tome ou não as devidas providências.
    Portanto, depois do leite derramado não adianta chorar.
    Infelizmente nossos colegas CHUPARAM BALA...

    ResponderExcluir
  8. Eu discordo, as vezes o profissional sabe dos erros que existe na empresa, avisa via correio eletrônico mas a empresa (empregador) não dá a minima pelos relatórios. Na minha opinião o profissional de segurança tem que evidenciar de tudo, para que no final não venha responder inquéritos, podendo até perder o seu diploma.
    Eu acho que devem ser punidos por negligencia de não ter evidenciado o ocorrido.

    ResponderExcluir
  9. Amigos, não podemos generalizar todos profissionais, faço parte de um SESMT e sou docente em Legislação do Trabalho, muitas das vezes em todo este tempo que desempenho minha profissão de engenheiro me deparei com situações onde não pude adequar condições inseguras, pois o patrão acha o custo elevado para assegurarmos vidas, porém tive que usar de artifícios para que isso fosse realizado ou adequado. Não se esqueçam que os profissionais também possuem família e que precisam defender seu pão de cada dia. Nosso dever é acima de tudo preservar vidas, nem que para isso seja necessário acionarmos a DRT ou o sindicato da classe. Já houve casos em que pedi demissão por não poder desempenhar o certo, haja visto que não poderia ser conivente com um patrão que só visava dinheiro, nem que para isso fosse pago com vidas. Fica aqui o apelo de um profissional que realmente faz o que gosta e que escolheu isso para sua vida.

    ResponderExcluir
  10. Galera, bacana os comentários, porém, assim como "alguns de vcs" são tão bons na área prevencionista, deveriam antes de criticar e dar pitacos, saber se realmente a noticia publicada é verdade ou mero boato. Trabalho na UTRESA ha 4 anos, temos uma excelente equipe de brigada de emergência, que usou todas os recursos necessários para combater o incêndio(CAMINHÕES TANQUE, RETRO ESCAVADEIRAS, ESCAVADEIRAS HIDRAULICAS), além disso, a empresa possui Alvará do Corpo de Bombeiros que vence no fim de 2011, e tem prazo para instalação de rede hidraulica sob comando até julho/11.Esse incêndio citado, começou qdo não haviam empregados na empresa, na véspera de natal quando todos já estavam preparando-se para viajar ou ficar em casa com suas famílias. Todos os procedimentos preventivos haviam sido executados. Nenhum TST foi preso ou detido, somente o Responsável Técnico da Empresa ENGENHEIRO QUÍMICO que foi liberado no mesmo dia . Vou deixar um link de um jornal de circulação aqui da região para conferirem a noticia correta. "NÃO ACREDITE EM TUDO QUE VC LÊ NA INTERNET"....
    http://www.diariodecanoas.com.br/site/noticias/policia,canal-8,ed-6,ct-702,cd-298855.htm

    ResponderExcluir
  11. "Sabotagem é a causa de incêndio na Utresa", garante presidente
    Fernando Couto diz que fogo começou meia hora depois de funcionários serem dispensados.
    Débora Ertel/ Da Redação
    Letra

    Estância Velha - Para o diretor-presidente da Usina de Tratamento de Resíduos Sociedade Anônima (Utresa), Fernando Couto, sabotagem é a causa do incêndio que atingiu o local na véspera de Natal. Segundo Couto, a degradação dos resíduos gera gases que combinados a altas temperaturas são passíveis de combustão instantânea. "Mas o fogo começou meia hora depois dos funcionários serem dispensados e se alastrou para a toda a célula em dois minutos. Essas circunstâncias deixa em nós a sensação de sabotagem", comenta.

    Ele informa que antes da equipe sair do trabalho a célula, que recebe resíduos perigosos, foi molhada, procedimento adotado para a prevenção de sinistros. Couto alega que desde o dia 25 de novembro a Utresa possui todos os alvarás exigidos.

    O engenheiro químico, João Bombarda, responsável técnico da usina, preso no dia 25 de dezembro foi solto no dia seguinte e segue trabalhando normalmente. O Ministério Público deverá vistoriar novamente o local na tarde desta segunda-feira.

    ResponderExcluir
  12. "Sabotagem é a causa de incêndio na Utresa", garante presidente
    Fernando Couto diz que fogo começou meia hora depois de funcionários serem dispensados.
    Débora Ertel/ Da Redação
    Letra

    Estância Velha - Para o diretor-presidente da Usina de Tratamento de Resíduos Sociedade Anônima (Utresa), Fernando Couto, sabotagem é a causa do incêndio que atingiu o local na véspera de Natal. Segundo Couto, a degradação dos resíduos gera gases que combinados a altas temperaturas são passíveis de combustão instantânea. "Mas o fogo começou meia hora depois dos funcionários serem dispensados e se alastrou para a toda a célula em dois minutos. Essas circunstâncias deixa em nós a sensação de sabotagem", comenta.

    Ele informa que antes da equipe sair do trabalho a célula, que recebe resíduos perigosos, foi molhada, procedimento adotado para a prevenção de sinistros. Couto alega que desde o dia 25 de novembro a Utresa possui todos os alvarás exigidos.

    O engenheiro químico, João Bombarda, responsável técnico da usina, preso no dia 25 de dezembro foi solto no dia seguinte e segue trabalhando normalmente. O Ministério Público deverá vistoriar novamente o local na tarde desta segunda-feira.

    ResponderExcluir
  13. Nelson da Costa Viana - Tecnól27 de abril de 2011 09:28

    Quem é da área de segurança e medicina do trabalho, sabe muito bem que muitas empresas só fingem que cumprem as normas regulamentadoras, que camuflam ou fazem só paleativos, acham que o investimento em segurança é prejuizo e por isso burlam as normas. Por outro lado chamo a atenção do Ministério Público e do Ministério do Trabalho em Emprego, se fiscalizarem vão emcontrar várias empresas irregulares e poderão evitar vários acidentes, mortes e até catastrofés. A prisão do Engenheiro e do Técnico em Segurança são válidas, mas espero que não fique por ai, pois os mesmo foram coadjunvantes "cúmplices", quando num caso como esse, se espera a culpa solidária, poís na verdade são responsavéis do mais alto cargo executivo da empresa, passando por presidente, diretores e etc, até os profissionais técnicos e especialistas. Pensem comigo, se a empresa não tinha um plano de emergencia ou se o projeto de proteção e brigada de incendio estava mal dimensionado para o grau de risco da empresa, ela num deveria nem está liberada para o funcionamento.

    ResponderExcluir
  14. Exatamente como teria que ser. Estamos acostumados a ver muito descaso por conta de alguns técnicos e engenheiros de segurança. Talvez sirva de lição para outros que agem da mesma forma. Ser técnico em segurança do trabalho não é "levar na flauta" como muitos "teco" fazem por ai. É ter responsabilidade LEGAL por vidas! Sabemos bem que SE muitas obras fossem rigorasamente inspecionadas seriam embargadas por puro descaso e negligência. O que seria dos acidentados se o técnico em enfermagem fosse totalmente desqualificado?

    Que sirva de exemplo!
    Que sirva de lição!

    ResponderExcluir
  15. VERDADE MICHELE, QUE SIRVA DE LIÇÃO PARA TODOS OS PROFISSIONAIS, POIS SOMENTE COM UMA DESSA PARA ALERTAR, SE NÃO ACONTECE NADA MUITOS LEVAM TUDO CONFORME O VENTO TOCA.

    ResponderExcluir
  16. Olá! Como vão todos? Meu nome é Cesar Luiz, e estou no meu segundo emprego como TST. O caso ocorrido no Rio Grande do Sul dá sim, não um, mas vários alertas para todos nós que somos profissionais em Segurança e Medicina do Trabalho.
    Primeiramente, como poderão ser punidos, o EST e os TST, neste caso? Eles podem perder seus registros profissionais no caso de condenação penal? Se não, vejo grandes possibilidades profissionais para eles, depois de serem libertados, pois seriam exemplos vivos, como palestrantes, para todos nós desta área.
    Hoje trabalho numa empresa com alto grau de indisciplina e grande poluidora ambiental. E estou de aviso prévio até o dia 07/07/2011. Aqui, por 2 anos, trabalhou apenas um TST antes de mim. E eu estarei completando 7 meses de trabalho no próximo dia 1º de julho. O que eu gostaria de saber é o seguinte:
    Já que eu estou de saída, até quando vai a responsabilidade minha, do meu antecessor e o Engenheiro de Segurança do Trabalho que presta assessoria aqui? Podemos ser indiciados em inquéritos futuros por não termos conseguido implantar as normas de segurança que planejamos nesta empresa? Este caso foi só um incidente ambiental. E se depois ocorrer aqui um grave acidente do trabalho aqui?

    Se alguém puder me orientar sobre o caso?: gauerc@hotmail.com

    OBRIGADO.

    Senhores, o caso daqui é tão grave que daria um livro com o título de "A PIOR EMPRESA DO MUNDO". Não dá nem pra rezumir aqui os problemas mais graves!

    ResponderExcluir

 
Top